Psicoterapia

Jovem em terapia

Como vimos em Interface corpo-psique, o trabalho com as questões emocionais é extremamente importante nos quadros psiquiátricos. Vimos que medicamentos específicos, os psicofármacos, ajudam a regular as substâncias presentes no cérebro responsáveis pela transmissão entre os neurônios. Tais substâncias estão relacionadas aos sintomas e seu ajuste torna a pessoa novamente capacitada a utilizar suas habilidades para resolver seus conflitos.

Ou seja, os medicamentos não são capazes de resolver os conflitos emocionais de ninguém. No entanto são bastante úteis para trazer a pessoa de volta à sua capacidade funcional e, então, a própria pessoa resolve suas questões emocionais, em geral com auxílio de um psicoterapeuta.

Após a avaliação por um psiquiatra, haverá a recomendação de um tratamento que pode incluir a prescrição de psicofármacos, a indicação de psicoterapia, de avaliação nutricional ou ainda de uma das formas de neuromodulação.

A psicoterapia pode ser utilizada tanto sozinha quanto combinada a medicamentos e trabalha com todas as condições emocionais e mentais que limitam a pessoa gerando impedimentos em alguma área da vida ou levando a sofrimentos e dificuldades. É importante salientar aqui que se a pessoa necessita de medicamentos e não os recebe, o processo da psicoterapia estará prejudicado.

A psicoterapia não é indicada somente par tratar um transtorno mental, mas também para auxiliar as pessoas que estão enfrentando conflitos emocionais nos relacionamentos, sejam pessoais ou profissionais, ou atravessando um processo de luto ou ainda tratando de doenças graves, como o câncer.

Existem diferentes abordagens em psicoterapia. Historicamente, o início foi com Sigmund Freud, que criou a psicanálise. Da mesma época datam Jung e Reich, que também desenvolveram métodos próprios de trabalho. Depois deles outros autores trouxeram novas perspectivas, reflexões e técnicas.

O objetivo do trabalho psicoterapêutico é o de favorecer novas percepções e melhor compreensão de si mesmo, dos fatos e dos outros, criando mais possibilidades para a pessoa em sua vida, novas formas de se sentir e de agir. Todas as questões humanas escolhidas pela pessoa podem ser abordadas em psicoterapia. Neste trabalho é necessário o compromisso com o seu processo, com a construção e algumas vezes a desconstrução antes da criação do novo.

 

Com o tempo, o processo de psicoterapia, além de propiciar a resolução de questões emocionais, aumenta a capacidade do indivíduo para a autopercepção, abrindo assim novos horizontes e novas possibilidades de autocuidado e de estratégias para lidar com as emoções, não só em relação ao que motivou a busca pela psicoterapia, mas também em relação a outros temas da vida.